News

Noticias CanPharma

No more posts
germany_cannabis_sales-1200x675.gif
23/Out/2019

Na Alemanha, as vendas de cannabis medicinal aumentaram constantemente até o segundo trimestre de 2019. Em comparação com o segundo trimestre de 2018, 74% a mais de cannabis medicinal foi reembolsada pelas seguradoras alemãs este ano. Em maio, ultrapassou os 10 milhões de euros desde que esse quadro foi implementado em 2017, no entanto, caiu para 9,5 milhões de euros em junho.

Os tipos de cannabis medicinal vendidos

Esses dados publicados pela Associação Nacional Alemã de Fundos Estatutários de Seguro de Saúde (GKV-Spitzenverband) incluem toda a cannabis medicinal vendida até junho de 2019. Essas categorias incluem preparações de cannabis como dronabinol, extratos de flores e espectro total, produtos farmacêuticos acabados, como Sativex e Canemes e flor de cannabis não processada. As flores não processadas e as flores utilizadas nos preparativos representam 55% do total de produtos reembolsados ​​de cannabis durante o segundo trimestre. No entanto, mais flores foram vendidas usando prescrições particulares que não foram aplicadas aos dados. No entanto, o reembolso entre todas as categorias de produtos aumentou.


crohns_disease-1200x900.jpg
13/Set/2019

Estudos de casos sugerem que existe um agente anti-inflamatório na cannabis.

Um estudo descobriu uma ligação entre o uso de cannabis e um menor risco de cancro do cólon, anemia e hospitalização.

O conjunto de dados das amostras de internamentos em todo o país (2010-2014) foram examinados para identificar adultos com doença de Crohn (DC) e colite ulcerativa (UC). 

Este é o resultado de um estudo realizado pelo Atlanta VA Medical Center em Decatur, EUA:

O estudo examinou 6.002 pacientes com DC (2.999 usuários de cannabis e 3.003 não usuários) e 1.481 pacientes com UC (742 usuários de cannabis e 739 não usuários).

Em pacientes com DC, a presença de cancro colorretal, a necessidade de nutrição parenteral e anemia foram menores em usuários de cannabis.

No entanto, a doença da fístula ativa ou a formação de abscesso intra-abdominal, o sangramento inespecífico no trato gastrointestinal inferior e a hipovolemia foram maiores no uso recreativo de cannabis.

Além disso, a permanência hospitalar média foi menor, com menores custos hospitalares entre os usuários de cannabis.

 

Source: Canna-Med


Schizophrenia.jpg
11/Set/2019

De acordo com um estudo publicado em 2017 pelo American Journal of Psychiatry, os pesquisadores chegaram à conclusão de que o CBD pode ter um efeito positivo em pacientes com esquizofrenia.

O objetivo deste estudo foi investigar a segurança e eficácia do CBD como uma terapia de acompanhamento para a esquizofrenia. Num estudo randomizado (proporção de 1: 1) e em dupla ocultação, os pacientes receberam CBD (1000mg / dia; N = 43) ou placebo (N = 45) como terapia adicional ao medicamento antipsicótico existente por 6 semanas. Os participantes foram avaliados quanto aos efeitos do CBD antes e após o tratamento usando a escala Syndrom positiva e negativa (PANSS), a Breve Avaliação da Cognição na Esquizofrenia (BACS), a Escala Global de Avaliação da Funcionalidade (GAF) e as escalas de melhoria e gravidade. De acordo com o estudo, o grupo CBD, em comparação com o grupo placebo, apresentou melhorias no desempenho cognitivo, alcance funcional e impressão clínica geral do paciente.

Esses resultados sugerem que o CBD pode ser uma alternativa possível no tratamento da esquizofrenia.

Source: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/29241357


OCD-cannabinoides.png
04/Set/2019

Aproximadamente 60% dos pacientes que sofrem de transtorno obsessivo compulsivo (TOC) não podem ser tratados com tratamento de primeira linha, no entanto, pesquisas mostraram que incorporar canábis medicinal pode ser a solução para este problema.

O TOC é um transtorno mental provocado por ansiedade ou sofrimento, caracterizado pela presença de pensamentos persistentes, mais conhecidos como obsessões. Esses pensamentos recorrentes são suprimidos por novos pensamentos ou ações, também conhecidos como compulsões (atos realizados em resposta à obsessão). As compulsões visam evitar a ansiedade ou angústia que é sentida.

Cerca de 60% dos pacientes com TOC não respondem ao tratamento de primeira linha. Opções nestes casos incluem um aumento de dosagens ou a mudança para outro medicamento. Novas evidências relatam que pacientes com TOC resistente ao tratamento responderam melhor a uma dose de aumento de medicamentos combinada com canábis medicinal.

Estudos clínicos comprovam resultados efetivos utilizando canabinóides em pacientes com TOC

Em 2008, cientistas publicaram um artigo no American Journal of Psychiatry. Neste artigo, os investigadores apresentaram as experiências de dois pacientes com TOC refratário, um homem e uma mulher, após a administração sintética de THC.

Para o paciente feminino, os médicos prescreveram-lhe um antidepressivo (inibidor seletivo de recaptação de serotonina) com duração de 8 meses e terapia psicológica para tratar o TOC e a depressão, mas sem sucesso. Curiosamente, a mulher relatou que, quando fumava canábis, os sintomas foram aliviados. Foi então decidido complementar o seu tratamento atual com THC sintético. Os sintomas de TOC foram reduzidos e o a gravidade da doença melhorou em 50%. Em relação ao indivíduo do sexo masculino, após a adição do THC sintético à medicação em curso, os sintomas foram reduzidos em até 2 semanas, e a gravidade da doença melhorou em 35%.

Em 2010, um estudo clínico foi posteriormente publicado no Journal of Behavioral Pharmacology, relativo à observação dos efeitos do CBD sobre os roedores. Neste estudo, os cientistas descobriram que o Cannabidiol (CBD), um componente da canábis que demonstrou ter efeitos ansiolíticos, tanto em animais quanto em humanos, pode reduzir significativamente os sintomas associados ao comportamento animal compulsivo estimulado.

Em geral, esses estudos demonstraram um potencial terapêutico dos canabinóides para reduzir os Transtornos Obsessivos Compulsivos Refratários, no entanto, novos estudos são necessários para validar definitivamente a sua utilidade ou não.

Fonte:

https://www.kalapa-clinic.com/en/refractory-obsessive-compulsive-disorder/


A CanPharma tem uma permissão farmacêutica de atacado de acordo com § 52a da Lei Alemã de Medicamentos, bem como uma licença para lidar com narcóticos no sentido §3 da legislação alemã sobre narcóticos. Além disso, a CanPharma possui um sistema de garantia de qualidade certificada pelo GDP.

MEMBROS DO

footerlogos

ESCRITÓRIOS

CanPharma GmbH
Wiesbadener Str. 29
16515 Oranienburg
Alemanha

CanPharma Portugal
Rua João Fernandes
Lavrador 1 – Sala 6 2825-
132 Vila Nova de Caparica
Portugal

ESCRITÓRIOS REPRESENTATIVOS

Berlim
Neue Kantstraße 18
14057 Berlim
Alemanha

Barcelona
Gran de Gràcia 15, 1-1
08012 Barcelona
Espanha